São Paulo e Internacional decidem uma vaga na final da Libertadores

Com muito a ganhar e perder, São Paulo e Internacional fazem um duelo recheado de rivalidade e nuances às 21h50 desta quinta-feira, no Morumbi. A partida é válida pela semifinal da Copa Libertadores. Como não poderia deixar de ser, o confronto vale vaga na final da competição, mas também uma vaga no Mundial de Clubes da FIFA, que acontece em dezembro, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes.

Como o outro finalista é o Chivas, do México, o time que sair classificado no duelo de quinta está automaticamente classificado para a competição, já que o adversário na decisão é um clube da CONCACAF. De acordo com o regulamento da Libertadores, apenas times da CONMEBOL (caso de São Paulo e Inter) podem conquistar uma vaga no Mundial.

As situações dos dois times são distintas. O Colorado bateu o São Paulo por 1 a 0 no jogo de ida, e tem a vantagem de jogar por um empate ou até de perder por um gol de diferença, contanto que deixe a sua marca no Morumbi. A tarefa do Tricolor é mais difícil – a equipe paulista precisa vencer por dois gols de diferença para evitar os pênaltis, ou por 1 a 0 para tentar a sorte na loteria do futebol.

De qualquer forma, o Morumbi deve estar lotado. Dos 64.291 ingressos colocados à venda, 45.831 já têm destino certo. Até quinta a tendência é de que o restante se esgote. Em caso de derrota são-paulina, a probabilidade de demissão do técnico Ricardo Gomes é grande, e os presentes podem estar presenciando a despedida do treinador.

Ofensivo
Ricardo Gomes (foto) planeja um São Paulo ofensivo para enfrentar o Internacional, já que depende de um bom placar para avançar à final. Em entrevista coletiva dada nesta quarta-feira, o treinador deu a entender que o atacante Ricardo Oliveira vai para o jogo, para atuar ao lado de Fernandão e Dagoberto.

Sem invenções
Sempre prático e objetivo, o técnico Celso Roth deve manter a escrita, colocando um Internacional sem modificações ou invenções táticas no gramado do Morumbi. Ao todo, o treinador relacionou 20 atletas para a partida, e deve manter a escalação do primeiro duelo, com a exceção do retorno do volante Tinga ao time titular.

Uma coisa, porém, é certa: o Inter teve sua motivação dobrada para a partida. De acordo com o volante Sandro, o fato de conquistar uma vaga no Mundial já avançando à decisão dá outra cara ao duelo contra o Tricolor.

“Agora muda o significado do jogo. O fato de ganhar ou empatar já nos garante no Mundial. Isso nos motiva ainda mais”, garantiu o volante Sandro, ponderando que o São Paulo também deve estar mais motivado. “Mas eles também vão pensar da mesma forma. Precisamos esquecer o jogo do Beira-Rio e lá começar do zero. Não vamos ficar esperando pelo São Paulo. Isso pode ser perigoso”.

Retrospecto
Ao todo, São Paulo e Internacional se enfrentaram por 61 vezes na história. São 22 vitórias do São Paulo, 19 empates e 20 vitórias do Inter, que leva ligeira desvantagem em um retrospecto de equilíbrio. Quando o assunto é mata-mata na Libertadores, a coisa muda de figura.

Nos duelos entre times gaúchos e paulistas em fases eliminatórias, 100% de aproveitamento para os times do Sul. Ao todo foram cinco confrontos, nos quais o São Paulo figurou em dois, contra Grêmio e Inter. Em 2006, perdeu a final para o Colorado, sendo derrotado por 2 a 1 no Morumbi e empatando por 2 a 2 no Beira-Rio. Um ano depois, foi vítima do Tricolor Gaúcho, que perdeu por 1 a 0 no Morumbi, mas deu o troco no Olímpico, vencendo por 2 a 0 e eliminando o São Paulo.

Em 2006, Fernandão foi um dos personagens principais da final, mas pelo Internacional. Atuando pela equipe gaúcha, ele marcou um dos gols do empate por 2 a 2, e levantou a taça ao final da partida, já que era o capitão do time.

FICHA TÉCNICA

São Paulo x Internacional
Local: Morumbi, em São Paulo-SP
Data: 05/08/2010
Horário: 21h50
Árbitro: Carlos Amarilla-PAR
Auxiliares: Yegros Nicolás Adolfo -PAR e Saldívar Milcíades-PAR

São Paulo
Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Junior César; Rodrigo Souto, Hernanes e Cléber Santana; Fernandão, Dagoberto e Ricardo Oliveira.
Técnico: Ricardo Gomes

Internacional
Renan; Nei, Bolívar, Índio e Kléber; Sandro, Guiñazu, Tinga e D’Alessandro; Taison e Alecsandro.
Tècnico: Celso Roth