Ronaldo é convidado e participará de encontro entre Dilma e Blatter

Membro do conselho de administração do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014, Ronaldo foi convidado na noite de quinta-feira pelo Ministério do Esporte e participará da reunião entre a presidente da República, Dilma Rousseff, e o mandatário da Fifa, Joseph Blatter, nesta sexta, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Além de Ronaldo, outro ídolo do futebol brasileiro estará presente no encontro: Pelé, que é embaixador do Brasil para o Mundial. A reunião está marcada para as 10h (de Brasília) e também contará com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo.Depois da visita a Dilma no Palácio do Planalto, Blatter terá um almoço com líderes do governo, às 13h (de Brasília). O encontro será importante para conversar sobre a Lei Geral da Copa, que teve sua votação adiada pelos deputados para a próxima quarta. Segundo a assessoria de imprensa da Fifa, o suíço ainda não confirmou se dará entrevistas em Brasília para comentar o que foi discutido com Dilma.

Ronaldo também é esperado no almoço na Residência Oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia. Também foram convidados o relator da Lei Geral da Copa, Vicente Cândido, e o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia, além de outros líderes partidários.

Na viagem ao Brasil, Blatter terá a missão de aparar as arestas com o governo brasileiro após a polêmica declaração do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, que pediu um “chute no traseiro” do país por causa dos atrasos nas obras do Mundial e na aprovação da Lei Geral. O episódio irritou o governo, que pediu um novo interlocutor à Fifa para as conversas sobre a Copa. Após pedidos de desculpas, a entidade cancelou a viagem de Valcke ao país que estava marcada para esta semana, quando o francês visitaria as obras de Recife, Brasília e Cuiabá.

Blatter também deverá cobrar explicações sobre a liberação da venda de bebidas alcoólicas nos estádios durante os jogos de 2014. Os deputados chegaram a autorização do texto da Lei Geral na última quarta, mas o governo voltou atrás já que o tema faz parte do termo de garantia assinado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando o Brasil apresentou a candidatura para sediar o Mundial

Fonte: Globoesporte.com