Londres 2012

Hardy chega a irritar de tão pessimista. É aquela hiena do desenho animado Lippy e Hardy que fica sempre vaticinando que tudo há de dar errado. “Oh, céus, oh, vida, oh, azar”, diz ela o tempo todo. Fosse brasileira, ela terminaria esta quarta-feira lembrando que Tiago Camilo não ganhou medalha no judô, que Cesar Cielo não passou do sexto lugar nos 100m livre, que a seleção feminina de basquete perdeu mais uma, que as meninas do vôlei foram atropeladas pela Coreia do Sul. Pior: em mais um dia sem medalhas em Londres, avisaria: “E se Neymar for atropelado por um daqueles ônibus vermelhos? E se Cielo escorregar na beira da piscina na hora de largar pros 50m? E se Maurren Maggi tropeçar em um buraco quando for saltar?”. É uma pessimista incorrigível a hiena.

Agência Reuters

Pollyanna chega a irritar de tão otimista. É aquela personagem de um famoso livro infanto-juvenil (chamado justamente “Pollyanna”), escrito pela americana Eleanor H. Porter, que sempre vê o lado bom das coisas. Órfã, a menina brinca do chamado “jogo do contente”, ensinada por seu pai. A ideia consiste em sempre buscar, por pior que seja a situação, uma perspectiva positiva. Fosse brasileira, ela fecharia esta quarta-feira observando que a seleção masculina de futebol venceu, que as duplas de vôlei de praia seguem fortes, que o boxeador Robenílson Vieira de Jesus está a uma vitória do pódio. Questionada sobre os quatro dias seguidos sem medalhas, ela lembraria que muito está por vir, que temos Neymar, Cielo e Maurren, que ainda ouviremos muito o hino nacional.

No quinto dia de competições em Londres, o desempenho brasileiro coloca em discussão aquele velho papo do ponto de vista, do copo metade cheio ou metade vazio. Por exemplo: Sergio Sasaki. De duas, uma: ou o vemos como não mais do que o décimo colocado no individual geral de ginástica artística, ou o vemos como o primeiro brasileiro a chegar a uma final olímpica na disputa. É uma questão de ser Hardy ou ser Pollyanna, afinal.

Entre otimistas e pessimistas, o fato é que a delegação verde-amarela segue restrita às três medalhas conquistadas na sexta-feira. Com isso, caiu um pouco mais no quadro geral de conquistas. Está em 17º.

Três jogos, três vitórias, três gols em cada um deles. A seleção brasileira encerrou bem sua participação na primeira fase do torneio masculino de futebol. Nesta quarta-feira, venceu a Nova Zelândia por 3 a 0, em jogo muito tranquilo. Danilo, Leandro Damião e Sandro fizeram os gols do duelo. As notas negativas foram a expulsão de Alex Sandro e o gol vivo desperdiçado por Neymar. Ele recebeu de Marcelo na área, livre, e mandou por cima. Depois da partida, o atacante disse que foi o gol mais perdido da carreira dele. Nas quartas de final, o adversário brasileiro será Honduras – sábado, em Newcastle.

O handebol também anima. A seleção feminina disputou sua terceira partida e alcançou sua terceira vitória na competição. Desta vez, a vítima foi a Grã-Bretanha, por 30 a 17. O Brasil, com duas rodadas de antecedência, está garantido nas quartas de final. Floresce a confiança por medalhas.

E o mesmo vale, em grau ainda maior, para o vôlei de praia. Juliana e Larissa seguem sem perder um set sequer nas Olimpíadas de Londres. Desta vez, fizeram 2 sets a 0 (21/12 e 21/18) sobre as tchecas Klapalova e Hajeckova. Ricardo e Pedro Cunha também mantiveram os 100% de aproveitamento ao bater Binstock e Reader, do Canadá, por 2 a 0 (21/18 e 24/22).

No boxe, Robenílson Vieira de Jesus também fez bonito. Venceu Sergey Vodopiyanov, da Rússia, e avançou às quartas de final entre os pesos-galos (até 56kg). O triunfo foi por 13 a 11. O brasileiro está a uma vitória do pódio. Ele volta ao ringue no domingo, contra o cubano Lázaro Alvarez.

Na natação, a boa notícia foi a classificação de Thiago Pereira para a final dos 200m medley. Ele já garantiu a prata nos 400m da categoria. Agora, encara gigantes como Michael Phelps e Ryan Lochte em busca de outro ouro.

O tênis brasileiro também teve uma vitória expressiva. Bruno Soares e Marcelo Melo completaram a partida iniciada na terça-feira e bateram os tchecos Berdych e Stepanek por 2 sets a 1, parciais de 1/6, 6/4 e 24/22. O encontro entre as duplas teve 4h21m de duração.

Copo metade vazio

Foi uma pancada. A seleção feminina de vôlei fez quase nada em quadra e acabou engolida pela Coreia do Sul: 3 sets a 0, parciais de 25/23, 25/21 e 25/21. As atuais campeãs olímpicas perderam os dois últimos jogos que disputaram. Correm sério risco de sequer avançar para a próxima fase.

E o basquete feminino segue decepcionando. Desta vez, perdeu para a Austrália por 67 a 61. Foi a terceira derrota em três jogos. A classificação para a próxima fase está seriamente ameaçada. Não por acaso, as atletas caíram no choro depois de mais um insucesso. É preciso vencer Canadá e Grã-Bretanha para se classificar e possivelmente pegar os Estados Unidos nas quartas de final. É a crônica de uma morte anunciada.

Fonte: GLoboesporte.com