Liderança antecipada

Sem a presença do atacante Souza, com estiramento muscular, a responsabilidade de ser o homem-gol e vestir a camisa 9, do Bahia, ficou para Ciro. Ele não decepcionou. Contra o Serrano, na tarde deste domingo (1º), em Pituaçu, o atacante marcou duas vezes e ajudou o tricolor sacramentar a primeira posição na primeira fase do Campeonato Baiano de 2012, ao vencer por 3 a 2. Agora, para também assegurar vantagem nos dois jogos da final, caso chegue lá, os comandados de Paulo Roberto Falcão precisam de apenas mais dois pontos. Agora, restando três partidas para o encerramento da fase inicial, o esquadrão aguarda pelo seu adversário que será o quarto colocado, atualmente, o Vitória da Conquista.

Foto: Agência Haack / Bahia Notícias

Início empolgante e dois gols de Ciro

Foram cinco alterações em relação ao time que venceu o Feirense, na última rodada: Ciro, Lulinha, Danny Morais, Lenine e Diones. Aparentemente, as alterações feitas por Paulo Roberto Falcão, todas elas forçadas, surtiram efeito positivo. Logo aos 5, Gabriel fez valer o apelido de ‘garçom’ tricolor e serviu o atacante Ciro, substituto de Souza. O camisa 9 dominou do lado esquerdo da área, deixou o lateral Paulo César no chão e bateu cruzado para abrir o placar em Pituaçu. O atacante foi protagonista de mais uma cena do ataque. Mas, desta vez, não conseguiu final feliz. Lulinha arrancou em velocidade, desde o campo defensivo, e lançou Ciro. O autor do único gol do jogo, até o momento, tentou fazer uma jogada individual, mas a finalização saiu fraca demais.  Pouco depois foi a vez de Gabriel oferecer perigo. Ele bateu, de esquerda, e a bola passou rente ao travessão. O Serrano, com três zagueiros e apenas um atacante, buscava se defender de todas as formas. Não adiantou. Aos 16, Gabriel chutou cruzado e foi beneficiado por um desvio no zagueiro Renilton. A bola parou nos pés de Ciro, de primeira, fazer seu segundo jogo na partida. Bahia 2 a 0. O que já estava bom ficou ainda melhor. Um minuto depois, o volante Lenine apareceu na área e, na hora do arremate, foi derrubado por Rodrigo. Pênalti marcado. A torcida pediu Ciro, mas Coelho foi quem pegou a bola para bater. O camisa 2 descolocou o goleiro, mas o árbitro Ademilton Carigé apontou invasão de Lulinha e mandou voltar. O lateral, na segunda cobrança, só fez mudar o lado. A categoria e a precisão foi a mesma para determinar o terceiro gol em menos de vinte minutos. Taticamente o tricolor atuava da forma que Falcão queria. Marcação sob pressão, os dois volantes se aproximando dos meias e os laterais sendo acionados. L
Bahia tira o pé e leva gol
á atrás, apesar dos espaços, os jogadores do Serrano pouco faziam. Quando, enfim, chegaram, o árbitro Carigé não colaborou. Após cobrança de falta, o meia Rodrigo foi derrubado por William Matheus e o juiz marcou pênalti. O auxiliar, antes da decisão do árbitro, já havia marcado impedimento no lance, de forma incorreta, o que anulou marcação da penalidade máxima. A vantagem parece ter dado sono ao Bahia, que cochilou e levou o primeiro gol. Léo Mineiro tabelou com Renilton e ficou de cara com Marcelo Lomba. O camisa 10 bateu e obrigou uma linda defesa do arqueiro tricolor. No rebote, Rodrigo, livre de marcação e de frente para o gol, só teve o trabalho de empurrar para o fundo da meta. Bahia 3 x 1 Serrano. Os visitantes se empolgaram. Aos 42, o atacante Felipe Adão progrediu com liberdade e chutou nas mãos de Marcelo Lomba.

Segunda etapa meia-boca
O segundo tempo começou, e com ele mais uma polêmica. Aos 2, Felipe Adão recebeu um belo lançamento e, dentro da grande área, foi puxado por William Matheus. Ademilton Carigé considerou o lance normal e não marcou pênalti. Aos 7, o Bahia chegou pela primeira vez ao ataque. Ciro dominou na área e ao invés do chute, como todos esperavam, serviu Zé Roberto. O camisa 11 tocou para o gol, mas a bola desviou no adversário e saiu para escanteio. Aos poucos, ainda bem distante do futebol apresentado nos primeiros minutos, o Bahia foi se soltando em campo. O volante Diones arriscou de longe e Gil fez boa defesa. Aos 14 minutos, mais um pênalti para o Serrano e, de novo, anulado. O atacante Felipe Adão caiu na área e o árbitro apontou falta de Coelho, e ainda advertiu o lateral do Bahia com cartão amarelo. Entretanto, o auxiliar já havia marca impedimento do jogador do Serrano, o que forçou Ademilton Carigé voltar atrás. O ritmo da partida caiu e Paulo Roberto Falcão aproveitou o momento para promover a estreia do boliviano Luiz Gutiérrez. Além dele, o treinador do Bahia colocou Madson e sacou Gabriel.

Serrano encosta
Aos 37, quando a partida caminhava para sonolência, o Serrano resolveu por fogo em Pituaçu. Pela terceira vez, o árbitro Ademilton Piedade Carigé assinalou pênalti para o time visitante. Porém, desta vez, o atacante Felipe Adão, que foi derrubado por Danny Morais, pôde bater e converter. Bahia 3 x 2 Serrano. Depois disso, o time do sul do estado só fez pressionar. No último minuto, Zé Roberto simulou falta e foi expulso.

Fonte: Bahia Notícias