Jael já vinha tendo atitudes estranhas no Bahia

Segundo um diretor do clube, o atacante já vinha tendo algumas atitudes consideradas estranhas dentro do clube antes mesmo da agressão ao auxiliar de Paulo Angioni, André Araújo.

O atleta pediu desculpas a torcida e manifestou interesse em continuar no clube, porém até o momento não se desculpou com o agredido, muito menos com a diretoria. “Parece até que ele está orientado por advogados para se defender antecipadamente de uma possível rescisão litigiosa”, disse um dirigente tricolor, acrescentando que Jael estaria se fazendo de vítima.

Por outro lado, o atacante Jael justificou a agressão física por estar de cabeça quente, após três meses de salários atrasados no Bahia e sem qualquer resposta às cobranças que vem fazendo.

Segundo ele, o clube não tem tido o respeito necessário com alguns jogadores, citando a si próprio e o zagueiro Nem, que também estaria sem receber. O empresário de Jael, Adriano Spadotto foi chamado pelo presidente Marcelo Guimarães Filho e desembarca em Salvador na próxima segunda-feira.

Para o procurador do atacante, houve excesso na atitude do atleta, mas o tratamento dispensado a ele no clube não vem sendo correto, principalmente porque Jael deixou de jogar no Gremio para ficar no Bahia, numa prova de amor ao tricolor e sua torcida.