Publicidade


Gramado do Barradão tem significativa melhora com os serviços de manutenção

Depois de três meses de serviços da empresa especializada em manutenção verifica-se uma melhora significativa  no gramado do Barradão. Os trabalhos foram divididos em três fases: análise e diagnóstico do campo; definir a melhor estratégia para adequar a necessidade do uso das intervenções necessárias; e elaborar um planejamento de execução de serviço para corrigir os danos causados pelas fortes chuvas e uso intenso do gramado pelas divisões de futebol do Vitória

Com objetivo revitalizar e obter as condições inicias do gramado do Barradão, foi focado neste primeiro momento as seguintes práticas de manejos:

1 – Trabalho para melhorar a tração do campo (que mede a resistência rotacional do gramado);

2 – Redução gradativa da altura de corte  da grama que estava com altura de 35 mm, e hoje o campo está com 24mm, o que garante maior estabilidade ao jogador e maior velocidade da bola. O objetivo é atingir a altura ideal nos proximos 30 dias;

3 – Foi intensificado os cortes verticais para retirada do colchão (material morto que vai se acumulando no gramado), melhorando o rendimento do campo, deixando-o  mais rápido para o jogo;

4 – A descompactação também entrou na rotina de manejo do gramado do Barradão, tendo como influência a troca gasosa presente nas reações do solo, auxilio no desenvolvimento da raiz e uma ajuda na percolação da água apoiando a drenagem;

5 – Redução do uso do campo, tanto nos treinos e nos jogos, durante esta fase de recuperação e melhorou a situação nutricional que hoje encontra-se equilibrada;

“O resultado é notório e já se percebe um excelente rendimento devido as ações adotadas pelo clube, considerando-se a redução do uso nos treinos e dos jogos oficiais no Barradão. O padrão do nosso campo foi reputado pela FIFA como um dos melhores na época da Copa do Mundo, e o que estamos fazendo é revitalizando o nosso gramado com os atributos necessários para reposicioná-lo como um dos melhores do cenário nacional”, comenta Aurinézio Calheira, diretor de Patrimônio do Vitória.