Clube dos 13 fecha com a Rede TV

O Clube dos 13 aceitou a proposta da Rede TV! para a transmissão em TV aberta de jogos do Brasileiro no triênio 2012-14. A oferta foi a única no processo de licitação da entidade, criado após exigência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

–  A demora foi decorrente de algumas discussões para a elaboração do contrato. A oferta é de R$ 516 milhões por ano ou R$ 1,548 bilhão por todo o período – declara o presidente do C13, Fábio Koff.

O envelope com a proposta foi aberto formalmente na presença de José Alberto, diretor comercial da emissora. E Koff fez questão de frisar que a confirmação da mesma depende do validação de todos os clubes ligados à entidade, inclusive os dissidentes, e dos contratos comerciais com anunciantes a serem firmados pela emissora dentro de 30 dias.

O presidente do C13 também adiantou que o contrato prevê 20% do montante pago imediatemente aos clubes a título de luvas. Tratam-se de R$ 300 milhões para saldar os compromissos mais urgentes.

A decisão da entidade saiu no início da tarde desta sexta-feira após um grande clima de incertezas. Depois de a Globo anunciar a não participação na licitação, a Record também declinou momentos antes do horário da abertura dos envelopes com as propostas, previsto para as 10h. A decisão da Record surpreendeu o C13.

A entidade previa arrecadar no mínimo R$ 500 milhões com a venda dos direitos de TV aberta do Brasileirão no triênio 2012-14. O montante é cerca de 70% superior ao pago atualmente. Mas a chance de alcançar valor maior fiocu reduzida nas últimas semanas quando 12 clubes preferiram tratar diretamente com a Globo, sob alegação de que a emissora tem maior qualidade e audiência, além da preferência dos patrocinadores.

– Essa é uma vitória da independência, do caráter, da transparência. Uma vitória, um dia de festa do futebol brasileiro e do Brasil – afirma Fábio Koff.

Sobre a desistência da Record na última hora, Koff foi bastante curto e direto. E relatou que cerca de de dez clubes já comprometeram receitas de 2012.

– Lamento. Não posso inteferir na decisão de uma emissora. A respeito da segunda questão, não posso falar pelos clubes. Não vou fazer juízo, os clubes saem o que é melhor para cada um – comenta.