Brasil x Paraguai – hora de Mano Menezes mostrar pra que veio

Ainda sem empolgar na disputa da Copa América, a Seleção Brasileira quer comprovar que é sim uma das fortes candidatas ao título dessa edição da disputa continental. Neste domingo, o Brasil volta a campo, quando encara o Paraguai, às 16 horas, no Estádio Ciudad de La Plata, em La Plata, na Argentina, pelas quartas-de-final da disputa.

Na primeira fase, os times estavam no Grupo B e ficaram no empate, por 2 a 2, em Córdoba. Nesse jogo, o Brasil perdia até os 44 minutos do segundo tempo, quando chegou ao empate com gol de Fred. No geral, o Brasil terminou na primeira colocação, com cinco pontos, após vencer o Equador, por 4 a 2. O Paraguai foi o terceiro colocado, com três pontos, após o empate com a Venezuela, por 3 a 3.

Confiança!
O atacante Robinho mostrou neste sábado o caminho para a Seleção Brasileira derrotar o Paraguai. Segundo ele, o time do Brasil precisar explorar mais as laterais, sem afunilar o jogo pelo meio. Assim, poderá escapar da forte marcação dos paraguaios. Em entrevista coletiva, Robinho citou o próprio jogo com o Paraguai, ainda na primeira fase da competição, como exemplo.

“A gente estava jogando muito pelo meio, o que fica complicado contra uma seleção que joga fechada”, disse o atacante, lembrando do confronto com os paraguaios que terminou empatado por 2 a 2. “A gente tem que jogar mais pelas laterais. E tenta fazer um gol logo no começo.”

Robinho ficou na reserva naquele jogo contra o Paraguai, quando foi substituído pelo meia Jadson, mas já recuperou a posição de titular, tendo feito uma boa atuação na partida seguinte, diante do Equador. E ele reconheceu neste sábado que ficou incomodado por ter ficado no banco de reservas, explicando que trabalhou forte para voltar ao time.

“Como qualquer jogador, não gosto de ficar no banco. O jogador de seleção que fica no banco e fica contente nem merece estar na seleção. Respeito o treinador e o companheiro que entra no meu lugar, mas vou sempre lutar para jogar”, contou Robinho, que também mudou o penteado nesse período. “Aquele corte de cabelo não estava dando muita sorte. Agora, carequinha, me dei bem e vou deixar assim.” A única dúvida fica em cima da zaga, quando Thiago Silva pode ser vetado. David Luiz e Luisão disputam a vaga.

Chega do quase!
O Paraguai teve duas vitórias em suas mãos na fase de grupos da Copa América. Tanto frente ao Brasil quanto contra a Venezuela, porém, o time guarani cedeu o empate já nos instantes finais. Por isso, os paraguaios pregam atenção máxima no jogo deste domingo contra o Brasil, pelas quartas de final da competição.

O volante Ortigoza sabe que, com o começo dos mata-matas, qualquer vacilo pode causar a eliminação. “Não pode haver margem de erro, temos que cuidar para que eles não tenham a posse de bola para não converterem os ataques. Eles sabem que podemos jogar de igual para igual. Quem perde vai embora, é a hora da verdade”, lembrou o jogador.

De acordo com Ortigoza, o segredo é não deixar cair o nível de atenção durante todo o jogo. “Precisamos de mais concentração nos cinco minutos finais, como não aconteceu contra Brasil e Venezuela. Devemos cuidar desse detalhe porque nas três partidas que jogamos nos saímos bem.”

Para o goleiro Villar, o jogo contra o Brasil terá um ingrediente especial. Será o primeiro contato dele com o estádio Ciudad de La Plata, que tende a ser a sua nova casa, uma vez que ele está muito próximo de ser anunciado como reforço do Estudiantes. “Já vou começar a me acostumar com o ambiente”, comentou o jogador, que deverá atrair o apoio da torcida local para os paraguaios.

Local
Estádio Ciudad de la Plata, em La Plata (Argentina)

Árbitro
Sergio Pezzotta (Argentina)

Assistentes
Ricardo Casas (Argentina) e Efraín Castro (Bolívia)

Brasil

Júlio César;
Maicon, Lúcio, Thiago Silva (David Luiz) e André Santos;
Lucas Leiva, Ramires e Paulo Henrique Ganso;
Robinho, Alexandre Pato e Neymar.

Técnico: Mano Menezes.

Paraguai

Justo Villar;
Antolín Alcaraz, Darío Verón, Paulo Da Silva e Aureliano Torres;
Enrique Vera, Aureliano Torres, Marcelo Estigarribia e Néstor Ortigoza;
Lucas Barrios e Roque Santa Cruz.

Técnico: Geraldo Martino.