Brasil x Holanda

zUm ano se passou, mas a eliminação nas quartas-de-final ainda tira o sono de alguns jogadores que defenderam a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da África do Sul em 2010. Embora o discurso não seja de vingança, o Brasil tem a chance de conseguir a “revanche” contra a Holanda, neste sábado, às 16h10, no Estádio Serra Dourada, em Goiânia.

“É difícil, vamos jogar em um situação completamente diferente. Foi a maior decepção da minha carreira, uma chance de ganhar um título, que deixamos escapar. Agora tem a recordação. É uma nova oportunidade, claro que não tem o mesmo valor. Temos que mostrar que esse grupo tem qualidade”, afirmou Nilmar, que foi reserva na Copa.

A partida marca a estreia do técnico Mano Menezes frente à Amarelinha em solo brasileiro. Todos os seis jogos pela Seleção, até hoje, aconteceram no exterior. Foram quatro vitórias: 2 a 0 sobre os Estados Unidos, 3 a 0 no Irã, 2 a 0 na Ucrânia e 2 a 0 contra a Escócia. Por outro lado, perdeu para Argentina e França, por 1 a 0.

O jogo em Goiânia também marcará o retorno da Seleção em terras tupiniquins depois de 20 meses. A última vez que a equipe havia atuado em casa aconteceu no dia 14 de outubro de 2009, pela última rodada das Eliminatórias para a Copa de 2010. Na oportunidade, empatou sem gols com a Venezuela, no Morenão, em Campo Grande (MS).

Holandeses em alta
O amistoso será um teste de fogo para o time de Mano Menezes. Desde a final do Mundial, quando perdeu para a Espanha, por 1 a 0, a Holanda não sabe o que é perder. Depois de um empate contra a Ucrânia, por 1 a 1, a seleção europeia emendou uma sequência de oito vitórias seguidas.

Nas Eliminatórias para a Eurocopa 2012, a Laranja faz uma campanha impecável, com seis vitórias em seis partidas. Marcou 21 gols e sofre apenas cinco. Das seis vitórias, quatro foram por goleada (5 a 0 em San Marino, 4 a 1 na Suécia e 4 a 0 e 5 a 3 sobre a Hungria).

Histórico do confronto
Se depender do retrospecto, os torcedores de Goiânia podem esperar um jogo equilibrado com muitos gols entre as duas seleções. Isso porque o histórico de confrontos entre ambas é completamente igual. São 30 gols em dez partidas, o que resulta em uma média de três gols por jogo.

Até hoje, Brasil e Holanda já se enfrentaram em dez oportunidades. São três vitórias para cada lado e quatro empates. A Seleção Canarinha anotou 15 gols, mesmo número de tentos marcados pelos holandeses.

Neymar é a nova estrela brasileira

Brasil no ataque
Ao contrário da Seleção de Dunga, que priorizava a marcação, Mano Menezes pretende ir ao ataque neste sábado. No último treino, realizado nesta sexta-feira, em Goiânia, o treinador montou a equipe com três atacantes: Neymar, Robinho e Fred, que retorna depois de naufragar com o Brasil na Copa da Alemanha, em 2006.

Daquele time eliminado no Mundial do ano passado, apenas quatro começarão entre os titulares. Entre eles, o goleiro Júlio César, o lateral Daniel Alves (que foi improvisado na meia), o zagueiro Lúcio e o atacante Robinho. O ex-santista, inclusive, marcou o brasileiro naquela oportunidade.

Reserva na naquela Seleção, o volante Ramires, confirmado entre os titulares, sabe que o torcedor goiano vai cobrar uma vitória do Brasil diante da Holanda, mas garantiu que a necessidade de conseguir um bom resultado não vai atrapalhar os jogadores.

“Na Seleção sempre tem pressão, a torcida está de parabéns, nos recebeu muito bem. Esperamos casa cheia”, comentou.

Sneijder é desfalque certo

Mistério na Laranja
Para enfrentar o Brasil, o técnico Bert van Marwijk terá alguns desfalques. O principal deles é o meia Sneijder, que foi o carrasco brasileiro na Copa do Mundo na África do Sul, ao marcar os dois gols da vitória da Holanda nas quartas de final. Mas jogadores importantes como Robben, Kuyt e Van Persie estão confirmados.

Até por conta disso, o treinador tem mantido muito mistério em torno do time que irá a campo. Da equipe que começou jogando contra o Brasil na Copa, apenas cinco jogadores devem iniciar entre os titulares. Além de Robben, Kuyt e Van Persie, foram mantidos o lateral Van der Wiel e o zagueiro Heitinga.

Apesar de encararem o amistoso como um jogo de campeonato, no discurso, os holandeses mais parecem estar de férias. Desde sua chegada ao país, a Holanda realizou muitos treinos descontraídos e ainda aproveitou as praias do Rio de Janeiro