Brasil goleia e está nas quartas da Copa

“Freguês bom, é freguês fiel.” A expressão é batida, é verdade, mas dificilmente há uma definição melhor para os duelos entre Brasil e Chile. Desde que o técnico Dunga assumiu a Seleção, em 2006, o time venceu os seis confrontros contra o rival. Nenhum tão importante quanto a goleada desta segunda-feira, já que os 3 a 0 no Ellis Park, em Johannesburgo, garantiram a equipe nas quartas de final da Copa do Mundo. Agora é vez da Holanda!

O melhor para o torcedor brasileiro é que a classificação para as quartas veio com uma boa atuação. Mais veloz em campo com as entradas de Ramires e Daniel Alves, a Seleção soube aproveitar os espaços e matou o jogo quando teve as chances, em três minutos no primeiro tempo. A goleada foi confirmada na etapa final.

Para os mais superticiosos, os duelos desta Copa lembram alguns passados. Em 1998, na França de tristes lembranças, o Brasil também bateu o Chile nas oitavas de final, mas perdeu a final para os donos da casa. Quatro anos antes, nos Estados Unidos, a Seleção pegou a Holanda nas quartas, como neste ano, e acabou campeão.

Assim como contra a Costa do Marfim (vitória por 3 a 1), ainda na primeira fase, Luís Fabiano foi decisivo para o Brasil. No único chute que deu no alvo, marcou o segundo gol do Brasil. E nem foi lá um chute, já que o camisa 9 recebeu um belo passe de Kaká e ainda driblou o goleiro Bravo antes de rolar para a rede, aos 37 do primeiro tempo. O Fabuloso chegou a três tentos e empatou com outros cinco jogadores na vice-artilharia do Mundial.

Três minutos antes, a Seleção abriu o placar com Juan. Em escanteio batido por Maicon, o zagueiro subiu mais que a zaga do Chile e ainda venceu o duelo com o “rivais” Lúcio e Luís Fabiano que também tentaram o cabeceio.

No segundo tempo, o Chile começou como no primeiro: tentando atacar o Brasil. E o time de Dunga se mostra cada vez mais especialista nos contra-ataques. Em bola roubada no meio de campo, aos 14 minutos, Ramires saiu com velocidade e na entrada da área só rolou para Robinho, que bateu com estilo para o gol de Bravo.

Mesmo com os três gols de vantagem, o Brasil continuou criando boas chances de gols. E a defesa do time continua muito segura. Principalmente o capitão Lúcio, que mais uma vez foi um dos melhores em campo.

Com um meio de campo mais técnico e com espaços, a Seleção mostrou que pode chegar ainda mais longe nesta Copa. O desafio agora será maior já que a Holanda também é uma das favoritas ao título. O time laranjaé um dois únicos times 100% em quatro jogos neste Mundial. A outra equipe é a Argentina.

A má notícia para os brasileiros é que o volante Ramires, recebeu o terceiro cartão amarelo e está fora do duelo da próxima sexta-feira, às 11h, em Porto Elizabete.
FICHA TÉCNICA:
BRASIL 3 X 0 CHILE

Estádio: Ellis Park, Johannesburgo (AFS)
Data/hora: 27/6/2010 – 15h30 (de Brasília)
Árbitro: Howard Webb (ING)
Auxiliares: Darren Cann (ING) e Michael Mullarkey (ING)

Público: 54.096 pessoas
Cartões amarelos: Kaká e Ramires (BRA); Vidal e Fuentes (CHI)
GOLS: Juan, 34’/1ºT (1-0); Luís Fabiano, 37’/1ºT (2-0); Robinho, 14’/2ºT (3-0)

BRASIL: Julio Cesar, Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos; Gilberto Silva, Ramires, Daniel Alves e Kaká (35’/2ºT – Kleberson); Robinho (39’/2ºT – Gilberto) e Luís Fabiano (30’/2ºT – Nilmar). Técnico: Dunga.

CHILE: Bravo, Isla (17’/2ºT – Millar), Contreras (Intervalo – Tello), Jara e Fuentes; Vidal, Carmona e Beausejour; Sánchez, Mark González (Intervalo – Valdivia) e Suazo.Técnico: Marcelo Bielsa.