Brasil decepciona na estreia da Copa América

A expectativa por um futebol envolvente e encantador acabou esvaziada à medida que o relógio avançava e o Brasil não conseguia furar o ferrolho da Venezuela, neste domingo, em La Plata. A decepção se confirmou após o apito final de Raúl Orozco e o placar marcou um magérrimo 0 a 0 entre brasileiros e venezuelanos.

Tal como a Argentina, o Brasil decepcionou em sua estreia na Copa América. As duas seleções tidas como favoritas absolutas tiveram dificuldades em furar os bloqueios impostos por duas seleções que historicamente sempre foram sacos de pancada: Bolívia e Venezuela. Não pode ser coincidência…

Da mesma forma como no jogo de abertura da competição, os brasileiros tiveram amplo domínio e posse de bola. Criaram as principais jogadas, tinham mais alternativas, mais craques, só que não encontraram uma forma de vencer a retranca da Venezuela. Chegava a ser impressionante a forma como o adversário do Brasil se fechou e abdicou de jogar.

A lógica é até compreensível. Afinal, sabedor da inferioridade técnica, o técnico César Farias preocupou-se em se fechar defensivamente e sair nos contra-ataques. E impôs uma tremenda dificuldade ao Brasil. Mesmo com os craques Paulo Henrique Ganso e Neymar, a Seleção não conseguia abrir uma brecha.

Para não dizer que nada aconteceu no primeiro tempo, o Brasil acertou uma vez o travessão do goleiro Vega após chute de Alexandre Pato, após passe de Daniel Alves. A jogada parecia ter acordado a Seleção Brasileira, que cinco minutos depois teve a sua principal oportunidade. Neymar recebeu na área, conseguiu tirar do goleiro e bateu. A bola tinha endereço certo mas o zagueiro Vizcarrondo entrou de carrinho e bloqueou a definição.

Aliás, alguém tem a obrigação de dizer a Neymar que muita firula não vence jogo. É necessário ser mais objetivo, coisa que o jogador santista ainda não entendeu.

A partida continuou dura de se ver no segundo tempo. O Brasil tinha posse de bola, só que não passava do bloqueio venezuelano. Satisfeita, a Venezuela continuava se defendendo e saindo no contra-ataque. O empate era uma vitória para a Vinotinto.

Só que vez por outra os espaços começavam a se abrir na defesa brasileira. O desespero por um gol era tamanho que a Venezuela começou gostar do jogo e a sonhar com um gol milagroso. Porém esperar isso seria muito, pois faltava o mínimo de técnica.

Mano Menezes, vendo que a coisa estava feia, tentou fazer alterações para mudar o panorama. Colocou Fred no lugar de Robinho, que estava inoperante no segundo tempo, e depois Lucas na vaga de Alexandre Pato. Infelizmente, o jogador do Milan era o que mais lutava e a Seleção perdeu um pouco de sua força ofensiva.

A partir dos 30 minutos do segundo tempo, o time brasileiro foi tomado pela afobação e tentava a qualquer custo o gol da vitória. Só que a salvação não chegou.

Agora Mano Menezes terá de voltar a Los Cardales e estudar o que mudar nessa seleção. A certeza é que, mais uma vez, contra equipes muito fechadas, o Brasil não consegue abrir espaços e encontrar a vitória. Embora tenha jogadores com habilidade e técnica capaz de fazê-lo.

O próximo compromisso da Seleção é sábado, contra o Paraguai, em Córdoba. Já a Venezuela encara o Equador, no mesmo dia, em Salta.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 0 X 0 VENEZUELA

Estádio: Ciudad de La Plata, La Plata (ARG)
Data-Hora: 3/7/2011 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Raúl Orozco (BOL)
Auxiliares: Efráin Castro (BOL) e Marvin Torrente (MEX)
Cartões amarelos: Thiago Silva (BRA); Rondón, González e Moreno (VEN)
Cartões vermelhos:
Gols:

BRASIL: Julio Cesar, Daniel Alves, Lúcio, Thiago Silva e André Santos; Lucas Leiva, Ramires (Elano 30’/2ºT), Robinho (Fred 19’/2ºT) e Ganso; Neymar e Pato (Lucas 30’/2ºT) – Técnico: Mano Menezes.

VENEZUELA: Vega, Rosales, Grendy, Vizcarrondo e Cichero; Rincón, Lucena, González (Di Giorgi 40’/2ºT) e Arango; Rondón (Moreno 19’/2ºT) e Fedor (Maldonado 33’/2ºT) – Técnico: César Farias.

fonte: lancenet