Publicidade


Bahia segue sem vencer em Pituaçu

A dúvida que se tem é se Bahia e Coritiba que empataram sem gols, neste domingo à tarde, no Estádio Pituaçu, em Salvador, vão conseguir se manter na elite nacional em 2012. ambos subiram ano passado e parecem ter condições de continuar entre os “grandes” do futebol nacional. Mas o empate acabou sendo ruim para ambos, pela 11.ª rodada do Brasileirão. Ao final do jogo, a torcida tricolor vaiou muito e pediu a cabeça do técnico Renê Simões.

Uma cena curiosa que a televisão mostrou ao final do jogo um torcedor vestido de Homem-Aranha, segurando uma faixa, com os seguintes dizeres:

“Quando o Bahia vai ganhar em Pituaçu ? “.

Antes do jogo começar foi respeitado um minuto de silêncio em homenagem a Lorinho, folclórico torcedor tricolor, que liderou as torcidas nas décadas de 70, 80 e 90.

Aumenta o jejum
O Bahia completou seu quinto jogo em casa sem vitória, onde ainda não venceu pela Série A. Fica com 11 pontos, em 16.º lugar, bem perto do z4. Por outro lado, o Coxa não venceu ainda fora de casa, somando seu primeiro ponto longe de Curitiba, mas tem boa campanha porque venceu quatro vezes em casa, no Estádio Couto Pereira. Com este empate o Coxa foi aos 14 pontos, em 12.º lugar.

O Bahia não vence o Coritiba há 12 anos, desde 1999. É bem verdade que o tricolor amargou a Série B durante quase toda a década passada.

Começo veloz
Os dois times começaram o jogo em alta velocidade. O Bahia impressionava com os “repentes” de Jobson que voava em campo e levantava suspeita sobre suas condições clínicas. Aos cinco minutos, Ávine cobrou falta por sobre a barreira e Edson Bastos salvou o Coxa, espalmando para escanteio.

A outra grande chance saiu num chute mascado de Fahel, aos 36 minutos, outra vez salvo pelo goleiro paranaense. O visitante, mesmo pressionado, também foi ao ataque e levou perigo ao goleiro Marcelo Lomba em três vezes. O Coxa se mostrou um time mais bem posicionado em campo, priorizando a marcação mas saindo rapidamente para o ataque.

No segundo tempo
O ritmo diminuiu um pouco, mas ambos continuaram atrás do gol. Aos 16 minutos, Marcos Aurélio arriscou uma bicicleta e a bola tirou tinta do travessão de Marcelo Lomba, goleiro baiano.

Aos 25 minutos, Fahel arriscou de longe e a bola explodiu no travessão de Edson Bastos, que contou com sorte para não ver seu gol batido. Dois minutos antes, o Coritiba tinha perdido Leandro Donizete, expulso ao receber o segundo cartão amarelo.

Aos 32 minutos, Jobson chutou à queima roupa e Edson Bastos defendeu de novo. Mas o Coxa deu o troco, numa falta cobrada por Léo Gago. A bola ganhou efeito e explodiu na trave direita do goleiro do Bahia.

O imprudente Jobson cometeu uma falta desnecessária e foi expulso aos 42 minutos, deixando os dois times com 10 jogadores. Mas ninguém mexeu no placar e a torcida tricolor, ao final, gritou em coro:

“Adeus Renê…” pedindo a saída do técnico Renê Simões, o menos culpado em tudo.

Próximos jogos
Na quinta-feira, às 19h30, o Bahia vai enfrentar o Vasco da Gama, em São Januário, pela 12.ª rodada. Não vai ter o atacante Jobson, expulso, e o volante Fahel, suspenso com três cartões amarelos. Por outro lado, quarta-feira, às 21h50, o Coritiba vai receber o vice-líder São Paulo, na capital paranaense.

Local
Estádio Pituaçu Salvador (BA)

Árbitro
Wilton Pereira Sampaio-DF

Assistentes
Cleriston Clay Barreto Rios-SE e Marrubson Melo Freitas-DF

Renda
R$ 481.965,00
Público
21.151 pagantes

Cartões Amarelos
Bahia:Fahel, Jobson, Marcelo Lomba, Paulo Miranda
Coritiba:Leandro Donizete, Tcheco

Cartões Vermelhos
Bahia:Jobson
Coritiba:Leandro Donizete

Bahia

Marcelo Lomba;
Gabriel, Paulo Miranda, Titi e Ávine;
Fahel, Marcone (Ricardinho), Lulinha (Fabinho) e Carlos Alberto;
Jobson e Júnior (Reinaldo)

Técnico: Renê Simões

Coritiba

Édson Bastos;
Jonas, Pereira, Émerson e Eltinho;
Léo Gago, Leandro Donizete, Tcheco e Rafinha;
Marcos Aurélio (Anderson Aquino) e Bill (Geraldo)

Técnico: Marcelo Oliveira