Bahia 1 x 0 Atlético-PR – Segunda vitória seguida anima Tricolor

O Bahia, agora sob o comando do “Papai Joel” Santana, continua reagindo no Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira à noite venceu o Atlético- Paranaense, por 1 a 0, no Estádio Pituaçu, em Salvador, pela 25.ª rodada do Brasileirão.

O tricolor  respira na sua luta contra o rebaixamento. Tem 30 pontos, em 14.º lugar, mesmo porque chegou à sua segunda vitória seguida. No domingo tinha batido o Fluminense, também em casa, por 3 a 0. Por outro lado, o Furacão continua na zona de queda, com os mesmos 23 pontos, em 18.º lugar.

Começo igual
O jogo começou igual, mesmo porque houve excesso de zelo dos dois treinadores, ambos experientes. De um lado, Joel Santana, pelo Bahia. De outro lado, Antônio Lopes, o “Delegado”, pelo Atlético-PR.

Ficha Técnica

Bahia
1
x
0
Atlético
Fase
Única
Rodada
25ª
Data
21/09/2011
Horário
20h30
Local
Estádio Pituaçu, em Salvador (BA)

Árbitro
Pablo dos Santos Alves-RJ

Assistentes
Cleriston Clay Barreto Rios-BA e Eduardo Lincoln Neves-RN

Renda
R$ 225.945,00
Público
12.771 pagantes (14.439)

Cartões Amarelos
Bahia:Jones, Carlos Alberto, Lulinha
Atlético:Deivid, Morro García, Gustavo

Gols
Bahia: Júnior 30′ 2T

Bahia

Marcelo Lomba;
Marcos, Paulo Miranda, Titi e Dodô;
Fabinho, Helder, Fahel e Carlos Alberto (Camacho);
Jones (Lulinha) e Souza (Júnior).

Técnico: Joel Santana

Atlético

Renan Rocha;
Edílson, Manoel, Gustavo e Héracles (Edigar);
Deivid, Renan Foguinho, Marcelo Oliveira e Paulo Baier;
Guerrón e Morro Garcia (Nieto).

Técnico: Antônio Lopes

As duas melhores chances de gol foram do time da casa. Uma com Paulo Miranda, aos 28 minutos, quando o zagueiro recebeu livre, mas demorou para finalizar e foi travado. E aos 33 minutos, quando Marcos apareceu livre para finalizar, chutou forte e o goleiro Renan Rocha “operou um verdadeiro milagre”.

O Furacão teve uma chance com Morro Garcia, aos 20 minutos, quando Edilson fez um cruzamento perfeito na cabeça de Morro Garcia. Mas a bola, caprichosa, foi para fora.

Lance duvidoso
Aos 44 minutos do primeiro tempo aconteceu um lance duvidoso. Jones invadiu a área sozinho e na tentativa de driblar o goleiro cai pedindo pênalti. A torcida até comemorou, mas o juiz não “entrou” na onda do atacante, marcando falta contra o Bahia. Além disso, aplicou o cartão amarelo em Jones, suspenso com três amarelos.

Um pouco antes, aos 41 minutos, o Bahia tinha perdido o centroavante Souza, em boa fase, que sentiu uma cotovelada aplicada pelo zagueiro Manoel. Saiu com suspeita de luxação muscular, mas pode ter fraturado uma costela, o que só os exames médicos vão comprovar. Entrou no lugar dele, Júnior “cabeça de pipoca”, que parece gordo e fora de forma.

Tudo igual
O segundo tempo começou equilibrado. O Atlético ameaçou puxar mais contragolpes para tentar vencer, mas na conseguiu superar a boa defesa comandada pelo zagueiro Titi, firme na marcação. Aos sete minutos Morro Garcia recebeu a bola livre, mas chutou para fora. Incrível.

O Bahia melhorou com a saída de Jones para a entrada de Lulinha, um jogador de mais velocidade e movimentação.

E quando o empate parecia ser o caminho do jogo, saiu o gol baiano. O volante Fahel fez o passe perfeito em diagonal para Júnior, que ficou de frente com o goleiro. Daí ele mostrou sua qualidade de matador, dando um toque por cobertura e faturando: 1 a 0, aos 30 minutos.

A melhor chance de empate do Furacão foi desperdiçada por Nieto, aos 33 minutos. Ele foi lançado sozinho, cabeceando para fora. Uma outra chance incrível!

Aos 43 minutos, aconteceu outro fato estranho. Entrou Kléberson no lugar do lateral Edilson. O que será que Antônio Lopes queria com uma substituição desta no finalzinho do jogo? Um absurdo.

Próximos Jogos
O Bahia, agora, vai enfrentar o Corinthians, em São Paulo, sem vários jogadores. Três deles são do Corinthians – Souza, Lulinha e Dodô – além de Jones, que recebeu o terceiro cartão amarelo. O Furacão vai tentar a reabilitação, em CSA, sábado, às 18 horas, diante do Fluminense.