Perto de completar 10 anos no Atlético-MG, Patric ganha nova chance entre titulares

No início deste ano, o lateral-direito Patric renovou contrato com o Atlético Mineiro até o final de 2020. Caso permaneça no clube até o final do novo vínculo, o jogador, de 30 anos, completará 10 anos de Galo. Nesta terça-feira (7), o Alvinegro de Belo Horizonte entra em campo para o último jogo pela Copa Libertadores deste ano, contra o Zamora, e Patric será titular após quase dois meses. Apesar das críticas da torcida, ele não esconde o carinho pela agremiação.

 

“Eu sou muito grato ao Atlético-MG. Tenho inúmeras passagens aqui. Eu tenho um carinho e um amor pelo Atlético-MG que vem de dentro para fora”, disse. “Tenho o meu jeito, meus momentos de muitas felicidades. Ao longo do tempo eu aprendi o significado de que quando tiver uma camisa atleticana no varal, é sinal de que o Atlético continua crescendo e evoluindo. Ver o meu filho torcer pelo Galo, ver ele gritar Galo, isso não tem preço. São inúmeros anos que estou aqui, alguns momentos difíceis, mas para mim prazeroso. Sou muito grato e sei o quanto sou importante para o Atlético”, completou.

 

A última vez que Patric começou um jogo entre os 11 foi na derrota para o Nacional, do Uruguai, por 1 a 0, no dia 12 de março, pela segunda rodada da Libertadores. Integrante do Grupo E, o Galo é o último colocado com três pontos, mesma pontuação do Zamora, adversário desta noite. A bola vai rolar a partir das 19h15, no La Carolina. Apesar das duas equipes não terem mais chances de avançar para as oitavas de final do torneio, a terceira colocação dá vaga na Copa Sul-Americana.

 

O primeiro jogo de Patric pelo Atlético-MG foi em janeiro de 2011, num amistoso contra o River Plate-URU. O lateral explicou como foi a negociação com Alexandre Kalil, presidente do clube na época.

 

“Lembro que em 2010, quando recebi a ligação do pessoal, cheguei a falar com um amigo e ele falou: “Negocia de longe, porque se você for para Minas vai entrar na sala do Kalil e vai assinar o contrato”. Dito e feito. Entrei na sala do Kalil e fiz um pedido a ele, e ele concedeu. Eu queria realizar o sonho de dar uma casa para a minha mãe, a casa que ela mora hoje. Ele disse: “Você vai, faz o seu trabalho que isso eu vou cumprir. Você também vai me dar muitos frutos”. Meu primeiro jogo com o Atlético-MG foi muito marcante para mim e a cada jogo que entro é muito prazeroso”, contou.

 

Patric foi formado na base do Criciúma e já defendeu São Caetano, Cruzeiro, Benfica e Avaí antes de chegar ao Atlético-MG. Durante esses quase 10 anos de Galo, ele chegou a ser emprestado para Ponte Preta, Náutico, Avaí, Coritiba, Sport. Em 2017, ele defendeu o Vitória.

Fonte:Bn noticias